Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

My Cherry Lips

O My Cherry Lips nasceu da minha vontade de partilhar com os outros tudo o que eu gosto e que faz parte do meu dia a dia. Moda, Beleza, Lifestyle são os seus temas principais. Visitem!

Qui | 26.10.17

Tenho 30 anos e voltei a viver com a minha mãe

19264484_1503343123050709_3263148176861762740_o.jp

Tenho 30 anos e voltei a viver com a minha mãe... Bem, não voltei a ir viver para casa dela, se é isso que estão a pensar, mas até meados de dezembro ela vai ficar a viver comigo (veio para Lisboa fazer um curso de informática) e posso dizer-vos que tem sido uma autêntica aventura. Sim, porque eu vivo fora da casa dos meus mais desde os 17 anos, altura que fui para Coimbra repetir o 12º ano (chumbei a matemática e química) e já não estou habituada às suas rotinas.

 

Aliás, quando em setembro deste ano a minha mãe se mudou para minha casa, combinámos que ela ficaria responsável pela "lida da casa", pela Júlia (cadela) e eu pelas despesas. No entanto, dar carta verde à nossa mãe para mexer nas nossas coisas, é meio caminho andado para "enlouquecermos". No meu caso, "aparentemente" sou desorganizada, mas a verdade é que sei sempre onde estão as minhas coisas. No entanto, quando ela as "arruma" é para esquecer...

 

Depois existe o problema das refeições, isto é ,há uns meses atrás decidi cortar nos hidratos de carbono, mas como não conseguia fazê-lo a "bem", decidi ser radical e por essa razão são raras as vezes que compro massa, arroz ou pão. Com a minha mãe cá, é impossível, porque ela acha que o meu metabolismo é igual ao dela. O problema é que eu passo o dia todo sentada e mal faço a digestão, ou seja o meu metabolismo é lento, tão lento que às vezes penso que ele "morreu"... Conclusão, já estou com o peso que tinha quando entrei para o Fitness Hut (pânico) e não consigo explicar-lhe que tendo as coisas ali à mão é difícil resistir à gula.

 

Outra coisa que passa a ser o drama e o horror é estar no computador até tarde (eu faço a gestão do blog depois do trabalho) e a partir das 22h a frase que mais ouço é: "Graziela vê lá se vais dormir, olha que amanhã tens de ir trabalhar." Sim, eu sei que é preocupação de mãe, mas eu sempre fiz isso e acho que já nem consigo adormecer antes da uma da manhã.

 

Sair à noite também passou a ser complicado, porque não posso chegar a casa a meio da noite sem que ela acorde ou que entretanto me mande um sms a dizer "a que horas chegas?". Sem falar na parte do beber porque obviamente não vou chegar a casa um pouco "mais alegre". Eheheh

 

Bem, na verdade poderia estar aqui a enumerar uma lista de situações que passam a ser incómodas quando somos adultos e voltamos a viver com os pais. No entanto, posso dizer-vos que têm existido muitas coisas boas nesta aventura, por exemplo: deixei de me sentir sozinha porque a minha mãe está sempre lá, a Júlia passou a passear muito mais vezes e está super feliz (o facto dela lhe dar goludices ainda ajuda mais), a minha mãe vem comigo aos eventos, ao cinema, faz uma sopa fantástica, ouve os meus desabafos quando chego do trabalho depois de um dia daqueles e até dá ideias para o blog, mas acima de tudo alinha em todos os meus desafios, por isso acho que não posso dizer que estou só a viver com a minha mãe também posso dizer que estou a viver com a minha melhor amiga.

 

O que é bom porque desde que o meu pai faleceu esta é a primeira vez que a vejo realmente feliz. Feliz por estar comigo e por estar a lutar por um novo futuro. :)

 

Em suma: viver com os pais pode ser complicado, mas no fim do dia até pode ser uma experiência bem interessante.

 

Já passaram por isso?

Graziela

32 comentários

Comentar post

Pág. 1/2